Postagens

Mostrando postagens de Agosto 20, 2013
Imagem
“ Nesse exato momento.
Há uma bagunça danada 
fazendo presença nos meus pensamentos.
Ela chega e toma todos os espaços, 
como se fosse fácil arrumar tudo lá dentro.
A gente se engana quando 'acha'
que tem domínio do que se pensa e se sente.
Não é nada fácil dominar o coração e a mente.”
laura méllo
Imagem
“ Às vezes eu só queria chorar em teu ombro.
Eu não queria falar nada. Apenas chorar...” 
laura méllo
Imagem
“ Ando cansada. Ando não achando graça em quase nada. Talvez eu vá escrever menos, sair menos, falar menos, ouvir menos, sorrir menos, chorar menos. Vou dar uma diminuída em tudo ... (menos): te amar menos, te querer menos, te cuidar menos. Porque você pra mim não é menos ou mais-ou-menos. Você pra mim é de(mais)! Mais vontade, mais saudade, mais cumplicidade, mais calor ... mais amor! Vou dar um tempo em um monte de coisas. E desistir de tantas outras prudentemente. Menos, desistir da gente.”
laura méllo
Imagem
“ Não gosto de ver caras tristes.
Hoje, até evitei olhar-me no espelho...”
laura méllo
Imagem
“ Precisei ir à costureira
para reparar um vestido e um roupão.
Onde fica o lugar, que repara coração?!” 
laura méllo
Imagem
“ Gosto de você
por diferentes motivos.
Até, na falta deles ... eu gosto de você!” 
laura méllo
Imagem
“ És tão linda, tão doce, tão autêntica, tão coração.
Que não necessitas de nenhuma carta de recomendação.” 
laura méllo
Imagem
O amor é tão óbvio.
laura méllo
Imagem
“ Observe as minhas pegadas.
E que elas sejam pra ti, o caminho de casa.” 
laura méllo
Imagem
“ Vontade de escrever pra você
um bilhete, uma carta, um telegrama.
Mas não sei teu endereço, não sei onde
exatamente você se encontra nesse mundo.
Porque nunca te revelastes totalmente.
Mas a tua voz ao telefone, o teu nome, 
o teu jeito de ser não sai da minha mente.
Não adianta ir ao correio.
O que eu diria ao carteiro?
- Éh seu moço, esta correspondência
não tem remetente. Não sei para onde mandar.
Que tristeza, pra minha casa irei voltar.
Porque é em mim, que a pessoa da carta
provavelmente irá sempre morar.” 
laura méllo